Projeto Educativo 2018/2019

CICLOS DE ENSINO – PROPINAS E CONDIÇÕES DE PAGAMENTO –

Para o ano escolar de 2018/2019, do 1º ao 12º ano, o valor da propina mensal é de 170 euros (11 prestações). Veja mais formas de pagamento e descontos em “condições gerais“.

Do 1º ao 4º ano
1º Ciclo*/
  • PROJETO CURRICULAR
  • O currículo do 1º CEB promove o desenvolvimento integrado das áreas cognitiva, pessoal, social, artística e afetiva, visando o crescimento completo e equilibrado do aluno. A aposta no ensino das Ciências faz com que o seu ensino experimental seja completado em laboratório e nos espaços exteriores da escola. A nossa matriz curricular contempla a possibilidade de reforços nas áreas das línguas (materna e inglês), da matemática e das expressões (educação musical, expressão plástica e educação física, incluindo natação).

Do 5º ao 9º ano
2º e 3º Ciclo/
  • PROJETO CURRICULAR
  • A organização do 2º e do 3º CEB é sustentada por um contexto global de mudança, reforçada por práticas pedagógicas modernas e alicerçadas numa experiência de inovação que constitui o nosso ADN, com especial enfoque em métodos ativos de descoberta e de apropriação do saber e em metodologias de comunicação e de projeto, valorizando a experiência individual, a responsabilidade e o trabalho em equipa e promovendo a aquisição de competências digitais imprescindíveis à participação ativa e cidadã na sociedade do conhecimento.

Do 10º ao 12º ano
Secundário/
  • PROJETO CURRICULAR
  • O ensino secundário visa assegurar o desenvolvimento do raciocínio, da reflexão e da curiosidade científica e o aprofundamento dos elementos fundamentais de uma cultura humanista, artística, científica, técnica e tecnológica que constituam suporte cognitivo e metodológico apropriado para um bem sucedido prosseguimento dos estudos, fomentando a aquisição e aplicação de um saber cada vez mais aprofundado, assente no estudo, na reflexão crítica, na observação e na experimentação e estimulando o gosto pela aprendizagem contínua.
No 1º Ciclo não serão constituídas turmas mistas, pelo que é garantida a existência de pelo menos um professor por turma e por cada ano de escolaridade; a abertura destas turmas está condicionada ao número mínimo de 10 alunos por turma.
* o 1º Ciclo encontra-se em homologação.

Sobre os valores de propina de frequência no próximo ano letivo, informamos que:

  1. O valor da inscrição é de 100,00€, acrescendo 10,00€ para Seguro Escolar.
  2. A frequência tem um custo anual de 1870,00€.
  3. Os pais e encarregados de educação podem optar por uma das seguintes três modalidades de pagamento:
    1. Prestação única no valor de 1813,00€, paga no mês de setembro. Este valor compreende um desconto de 3%.
    2. Em três (3) prestações com o valor unitário de 610,00€, sendo a primeira prestação paga no mês de setembro e as duas restantes em janeiro e em abril do ano letivo respetivo. Este valor compreende um desconto de 2%.
    3. Em onze (11) prestações com o valor unitário de 170,00€, pagas nos meses de setembro a julho.
  4. Os pais com mais do que um filho a frequentar em simultâneo a escola têm direito a um desconto de 10% em cada um dos filhos.
  1. O custo unitário da refeição, servida no restaurante escolar, será de 2,00€.

custo mensal dos transportes em autocarro da Alfacoop é determinado tendo em conta a distância entre o local em que o aluno entra e sai do transporte e a nossa escola.

Atualmente existem 3 zonas com preços distintos:

  1. Zona 1 (25,00€) – Tadim, Arentim, Priscos, Cunha, Tebosa, Fradelos, Vilaça, Vimieiro, Cambeses, Bastuço Sto Estêvão, Bastuço S. João, Aveleda, Sequeira, S. Pedro de Oliveira, Arnoso Sta. Eulália, Arnoso Sta. Maria, Jesufrei, Nine e Sequeade;
  2. Zona 2 (35,00€) – Carreira, Celeirós, Lemenhe e S. Tiago da Cruz;
  3. Zona 3 (40,00€) – Braga, Viatodos, Guisande, Gavião, Louro, Grimancelos e Famalicão;

Horário de funcionamento da Escola:

8h00 – 19h00 de 2ª a 6ª feira

Horários letivos:

1º Ciclo – 9h00 às 16h30 (atividades extra curriculares das 16h30 às 17h30)

2º e 3º CEB e Ensino Secundário – 8h20 às 17h30.

Apesar das atividades letivas decorrerem nos horários acima referidos, a Alfacoop, oferece a possibilidade aos alunos, cujo pais necessitem, de antecipar e prolongar o horário de funcionamento, em espaços adequados e devidamente acompanhados, mediante o pagamento de uma propina própria (20€).

Como estabelecimento de ensino integrado no sistema educativo português, o Externato Infante D. Henrique cumpre as orientações curriculares definidas pelo Ministério da Educação, nos termos do Ensino Particular e Cooperativo e no âmbito da autonomia por este concedida.

O currículo nacional é reforçado e complementado por ofertas de escola, em áreas de formação consideradas essenciais, na linha do nosso Projeto Educativo. Estas ofertas estão integradas no currículo, destinam-se a todos os alunos e estão incluídas na propina prevista para cada ciclo de ensino.

Externato Infante D. Henrique – “A construção de uma Escola Cidadã”

Dr. José da Silva Ferreira – Diretor Pedagógico do Externato Infante D. Henrique

A abordagem da questão da educação para a cidadania pressupõe a prévia definição do que é a cidadania. A ideia de cidadania é, na sua génese, exclusiva. Nasce na antiga Grécia com o pensamento de Aristóteles e a prática que se desenvolve na polis. O conceito de cidadania valoriza uma marca de superioridade dos cidadãos sobre os não cidadãos, sendo o inerente estatuto de desigualdade e discriminação socialmente aceite sem discussão. Ainda hoje, a qualidade de cidadão opõe-se iniludivelmente à de não-cidadão.

Os fenómenos crescentes de exclusão social questionam mesmo o conceito de cidadão e conformam-se como um dos maiores obstáculos ao exercício pleno da cidadania por parte de largas franjas de indivíduos.

E é destas contradições que nascem as ideias de cidadanias mais amplas como a da “cidadania europeia” ou mesmo da “cidadania terrestre” de que nos fala Edgar Morin: “A educação do futuro deverá promover uma ética da compreensão planetária”.

O principal objetivo da educação para a cidadania consiste em ligar os jovens às realidades de natureza cívica  com as quais de confrontam a nível local, nacional ou global, na perspetiva de que o global não é senão uma espécie de “local globalizado”.

As sociedades ocidentais enfrentam hoje o desafio decorrente da mundialização a que Jacques Lévy se refere como “a emergência de um objeto novo, o mundo enquanto tal”.

A promoção de uma educação para a cidadania no contexto escolar pode ser feita de múltiplas maneiras. Mas exigirá sempre que a escola se assuma como local privilegiado não apenas da educação para a participação mas, e muito especialmente, da própria participação livre e crítica dos educandos. Como escreveu António Machado, “el camiño se hace al andar”.

A educação para a participação na vida cidadã é uma obrigação da escola. Porém, como corresponder a este desafio num mundo  em que a única certeza parece ser a incerteza e a mudança? Como nos diz Boaventura Sousa Santos, “há um desassossego no ar. Temos a sensação de estar na orla do tempo, entre um presente quase a terminar e um futuro que ainda não nasceu”.

Como pode a escola assumir e concretizar as suas responsabilidades na formação de cidadãos livres, autónomos, participantes conscientes na sua comunidade?

A educação para uma cidadania participativa, crítica e activa só é possível numa escola que seja, ela mesma, cidadã, institucionalmente e na sua prática.

O movimento da “escola cidadã” constitui um bom exemplo da importância do conceito de cidadania como conjunto de práticas congruentes com a adesão ao princípio fundamental de que a cidadania se aprende pelo seu exercício efetivo e pela promoção de uma ética de participação que faça de cada escola como que um laboratório de vida democrática.

O Externato Infante D. Henrique (EIDH) é um estabelecimento de ensino privado, propriedade da Alfacoop Cooperativa de Ensino CRL (NIPC 501462716), situado na Avenida Comendador Padre David, freguesia de Ruílhe, concelho de Braga, Portugal.

Sendo a Alfacoop uma cooperativa (sem fins lucrativos), vocacionada para a promoção da Educação, da Cultura e do Desporto e para o apoio a iniciativas de responsabilidade social, a existência desta escola é a expressão material da vocação e do desejo de prestar um serviço de excelência, no âmbito da Educação e do Ensino.